1. Transformando sildenafil pfizer prix kosten água em vinho

Uma vez privado da ação de reclamar, acabei procurando e desenvolvendo maneiras de eliminar da minha preocupação e do meu foco aquilo que seria um motivo para me irritar e me levar a reclamar. Coloquei minha atenção em outros pontos… Um deles foi observar o ambiente, as paisagens em volta, as ações que as pessoas estão fazendo, os assuntos que estão conversando… E isso é um grande entretenimento! Se você acha que fica muito tempo com os olhos numa telinha por não ter com o que se entreter, está enganado. Inclusive, houve uma situação que certamente teria me causado irritação. Mas por um momento me afastei e me coloquei em estado de observação. Fiquei como um espectador no teatro e, desse ponto de vista, acabei mesmo achando graça daquilo tudo!

2. Mais paciência, mais tolerância

Sem reclamar, acabo me irritando menos e, consequentemente, fico com mais paciência e mais tolerância para todas as coisas em geral, como as questões do dia-a-dia, o trabalho e até mesmo para lidar com as pessoas e lidar com problemas. Estresse: Tenho ficado um pouquinho menos estressado. Longe de ser ter descoberto a fórmula para livrar a humanidade do estresse, mas no mínimo ocorreu algum alívio no meu estado. Uma leveza mesmo.

3. Onde está o horror

Nesta experiência, fui capaz de, pelo menos por alguns https://www.viagrasansordonnancefr.com/viagra-cialis/ instantes, me concentrar em não esperar coisas ruins do mundo. Quando elas vinham, elas vinham. Mas eu não as antecipava e muito menos carregava o seu peso antes mesmo de acontecerem. Com isso, visualizei que parte dos aborrecimentos que passo e, consequentemente, das reclamações que faço, nem se deve ao que acontece de fato, mas sim ao que eu imagino em minha cabeça ou a ideias pré-fabricadas que vagam na atmosfera. Ou seja, às vezes a reclamação não é fruto de se ter passado um acontecimento em si; é fruto de uma mentalidade engessada em relação a esse tipo acontecimento.

4. O que se quer não importa

Ao entrar na condição de não poder reclamar, fui a cada dia tomando consciência da quantidade de coisas que me levariam a reclamar. Elas são, em suma, coisas que não estão ou não se passam como EU gostaria, como EU planejei, como EU preferiria; então, entendi que na verdade eu é que gostaria de coisas demais, eu é que tenho vontades demais. De algum modo, cheguei à conclusão de que deveria deixar de querer ter tanto controle sobre tudo. É uma questão de abrir mão e deixar que a realidade aconteça do jeito que acontecer.

5. Não há o que fazer

Em alguns casos a situação é chata; a pessoa quer ser estúpida. Lutar contra esse tipo de situação e esse tipo de atitude é debater-se na areia movediça. O que aprendi neste ponto? Aprendi a engolir. Não mover um músculo! Não gesticular uma letra! Simplesmente deixar estar, let it be. Pois, na areia movediça, quanto mais você se mexer para subir à superfície, mais ela te puxa para o fundo.

Comentários

comentários