O que há por detrás do véu dos milhares de símbolos e mitologias sobre o caminho da evolução de um ser humano? Mergulhe em seus mundos internos guiado por Marcelo Del Debbio.

Primeiro, o que significa ‘Iniciação’?

1. ato de começar, iniciar algo. 2. condição daquele que é introduzido em alguma experiência misteriosa ou desconhecida.

Qualquer curso wicca, cabalístico, numerológico ou pitagórico de final de semana promete Iniciações espirituais, “certificados” e garantias de acesso a si mesmo. Os incautos devem ficar atentos para não cair em promessas ilusórias.

Mas o que é uma Iniciação real?
Qual a utilidade disto?

Para entender isso também precisamos entender o que é uma Egrégora. Fique tranquilo, no final tudo faz sentido.

Algumas definições são bastante enfáticas: “Palavra que se tornou popular entre os espiritualistas, significa a aura de um local onde há reuniões de grupo, e também a aura de um grupo de trabalho”. Outras definições são mais exóticas e misteriosas: “Egrégoras são entidades autônomas, semelhantes a uma classe de “devas que se formam pela persistência e a intensidade das correntes mentais realizadas nos centros verdadeiramente espiritualistas; pois nos falsos tais criações psicomentais se transformam em autênticos monstros, que passam a perseguir seus próprios criadores, bem como os frequentadores desses centros”. Finalmente temos uma definição um pouco mais clássica: “Egrégora provém do grego egregoroi e designa a força gerada pelo somatório de energias físicas, emocionais e mentais de duas ou mais pessoas, quando se reúnem com qualquer finalidade, A egrégora acumula a energia de várias frequências. Assim, quanto mais poderoso for o indivíduo, mais força estará emprestando a egrégora para que ela incorpore às dos demais”. Na média, temos que a Egrégora é a somatória de energias mentais, criadas por grupos ou agrupamentos, que se concentram em virtude da força vibratória gerada ser harmônica. Simplificando: quando muitas pessoas se unem para fazer o mesmo ritual, cria-se uma Egrégora.

Tree_of_Life_Diagram_with_names

Clique para ampliar: a árvore Sefirotal ou Cabala é um dos grandes instrumentos alegóricos (junto com o Tarot) das Ordens Iniciáticas

E para que serve isso? Qual a importância da Egrégora para a Iniciação espiritual?

Uma Egrégora protege seus participantes de energias intrusas e que atrapalhem sua ritualística. Quando se diz que uma pessoa é “Iniciada” em uma Egrégora significa que ela deu o primeiro passo para dentro do Templo; ela foi aceita pela egrégora, e agora pode participar de seus trabalhos e conhecer a si mesma utilizando as ferramentas deste envoltório.

Oras, se a egrégora é uma junção de forças, é claro que este “grupo” vai querer agregar mais força iniciando outros indivíduos nesta mesma energia e neste mesmo objetivo.

Observando a estrutura da Árvore da Vida, vemos que existem 3 Caminhos que partem de Malkuth em direção a Kether: Shin, Tav e Qof, representados respectivamente pelos Arcanos do Tarot: Julgamento, Mundo e Lua.

Malkuth retrata o “mundo profano”, daqueles que estão do lado de fora da egrégora, e o profano possui três maneiras de conhecer a Egrégora:

O primeiro caminho que terá contato geralmente será Qof, que representa o Ágape Fraterno, que entenderemos da seguinte maneira: imagine uma palestra pública aberta, um sabbat de comemoração, uma apresentação sobre engenharia, uma gira de Umbanda, um curso de final de semana sobre Xamanismo ou uma festa de quermesse da igreja. Todos estes eventos são geralmente abertos ao público, amigos, convidados ou interessados. QOF representa o “primeiro passo” dentro de uma egrégora. Um “trailer” do filme, ou um “test-drive”, se preferirem.

Participar de uma gira de Umbanda não fará de você umbandista, nem ir à missa fará de você católico, ou ainda participar de uma palestra sobre engenharia fará de você engenheiro… mas pode despertar o interesse em participar da egrégora.

Agora vem o SHIN, o Caminho da mão esquerda que parte de Malkuth. Sua carta do tarot já adianta sobre o que se trata: “Julgamento”. SHIN são todos os verdadeiros testes que a pessoa precisa fazer (e passar) para ser aceito dentro daquele grupo. Depois do primeiro passo, você é testado. Podemos incluir aí as entrevistas, escrutínios e sindicâncias na Maçonaria e Demolay, ao convívio de um ano com o coven, ao exame de vestibular das faculdades, a camarinha do Candomblé, os batismos cristãos e muitos outros exemplos de testes que precisam ser vencidos pelos candidatos (ou “probacionistas”) até que sejam aceitos pelo grupo (e pela Egrégora).

 

Autoridade e Autorização

Uma vez que o profano tenha se submetido ao fogo de SHIN, ele pode finalmente cruzar o Umbral de TAV para dentro das portas do Templo.A Iniciação ocorre, ao mesmo tempo, dentro e fora da pessoa. De nada adianta fazer os rituais e provas e “entrar” no grupo se a pessoa verdadeiramente não se integrou naquela Egrégora. Em 25 de Julho de 1593 Henrique IV declarou: “Paris vaut bien une messe” (“Paris vale bem uma missa”) e renunciou ao Protestantismo, mas isso não fez dele um real católico. Da mesma maneira, não adianta nada passar pelas iniciações maçônicas se a pessoa continua um “profano de avental” depois e nada muda.

A Egrégora, neste caso, não irá aceitá-lo pois seu íntimo está em conflito com a casca exterior, e a palavra de poder do elemento Terra é COERÊNCIA.

É neste ponto, então, que começamos a entendemos melhor o que é a iniciação.

Por outro lado, de nada adianta fantasiar-se de bombeiro, vestir roupas de bombeiro e passear em um carro vermelho com sirene. Se você não tiver uma Autorização, não passar por Testes oficiais e pegar um ‘diploma’ real e certificado, você nunca será um bombeiro (ou policial, ou médico, ou advogado, ou maçom). Aqui entra o segundo ponto da Iniciação: Autoridade e Autorização.

Na Kabbalah, damos a este Caminho o nome de SAMEKH, a Temperança. A mistura entre a autoridade para se conceber uma Iniciação e a capacidade do iniciado em receber esta iniciação. Existe uma hierarquia aqui também, uma organização. É um mundo que carrega suas regras, como qualquer outro.

 

Linhagem

Em Egrégoras, existe uma cadeia de comando. Quando eu fui iniciado na maçonaria, eu sei que o Venerável Mestre que me iniciou pertence a uma Loja levitra dosage Regular, e o venerável que o Iniciou também, e o anterior, e o anterior, até uma cadeia inquebrantável que chegará aos primeiros Maçons que fundaram a Egrégora da maçonaria em 1717 e até antes dela ter este nome. Montar um templo no quintal de casa, recrutar pessoas via Spam de facebook e cobrar mensalidades jamais fará de um suposto Templo maçônico uma Loja Maçônica regular, muito menos a conectará com a egrégora Maçônica. E o mesmo fundamento pode ser aplicado para covens Wiccanos, Igrejas católicas, engenheiros, hospitais, bombeiros, policiais e todas as Egrégoras que você imaginar. Ninguém pode se declara um advogado se não tiver seu registro na OAB, por melhor em direito que esta pessoa seja.

 

Mas e se eu inventar uma Egrégora nova?

A nova egrégora terá a força, tradição e coerência da energia que estiver sendo colocada nela. Ou seja, quase nenhuma. Mesmo se a pessoa disser que montou “uma nova potência Maçônica”, a egrégora original, passada através da autoridade e autorização, não atua nesse grupo dissidente. O mesmo raciocínio vale se alguém criar uma nova OAB para autorizar advogados. .. sua carteirinha iria valer o mesmo que uma nota de R$ 3,00. Temos visto isso na prática em grupos inventados de Umbanda, hermetismo e bruxaria. O movimento só não se dissolverá caso ganhe força e adeptos reais. Os que perduraram conseguiriam então estabelecer uma linha de sucessão energética, mantendo dentro de si a coerência e a estrutura de autoridade que ultrapassou a barreira de seu idealizador. Se não conseguem esta coesão, o grupo se dissolve em várias facções (igrejas evangélicas, por exemplo, que se multiplicam na medida em que cada pastor vai ficando mais ganancioso). Em outras palavras, a egrégora realmente toma vida e se torna maior do que a vontade de uma pessoa solitária e seu grupo de seguidores.E, como entidade viva, passa a escolher também quem fica dentro e quem fica fora.

 

Tudo o que está dentro, está fora

Para uma verdadeira Iniciação interna, é necessário entrar no Templo com os dois passos.

Alguém incoerente nunca será um verdadeiro Iniciado, pois não conseguiu ultrapassar a barreira mais simples de todas de um Mago, que é a coerência entre pensamento, fala e ação. Pode-se enganar a casca mais externa de pessoas, mas nunca conseguirá avançar até os verdadeiros segredos da Iniciação Hermética.

A Iniciação real no Hermetismo começa, portanto, quando a pessoa entra definitivamente pelos portais de TAV e entende que existe algo maior do que si mesmo no Universo. E passa a agir como pensa e fala. Isso é importante, pois assim que o iniciado real exprime para o universo o desejo de evoluir, seu Sagrado Anjo Guardião responderá com uma série de Ordálias… mas isto já seria outro texto.

“Pertencer a uma Ordem Iniciática não faz de você uma pessoa melhor, ter muitos conhecimentos magísticos não faz de você uma pessoa melhor, estar em uma religião não faz de você uma pessoa melhor, ser uma pessoa melhor faz de você uma pessoa melhor“.

Frater Alef

Comentários

comentários